WiFi Ralph: Quebrando a Internet | Crítica

Referências e amizade são destaque nesse novo filme do grandalhão carismático.

Nesse novo Longa, Ralph e Vanellope se aventuram pelo mundo da internet graças a um roteador que o bom e velho Sr. Litwak instalou em seu Fliperama.

O filme caminha de forma suave e original, sem forçar a entrada das personagens nesse mundo. Você sente como se fosse uma evolução natural para eles. Já que o filtro de linha agora esta bem mais vazio que no primeiro filme, várias maquinas devem ter sido desligadas, já que são muito antigas, como fica claro quando Litwak diz que a fabricante de Corrida Doce já fechou a muito tempo.

Já na Internet, eles se deparam com inúmeras referencias que vimos todos os dias ao navegar por esse mundo imenso de informação. O filme mostra todo o lado bom da internet e representa tão bem os usuários com “Funkos” que você sente uma familiaridade com aquilo, como se funcionasse realmente daquela forma. O filme da Disney que mais me fez rir no cinema, ele conta com um humor que varia de pastelão até sarcástico e funciona de forma exemplar.

Até que passamos para o lado sombrio da internet quando as inseguranças na amizade de Ralph começam a se manifestar nele, ela já tinha sido apresentada no começo, o que os levou a essa aventura, mas agora ela se torna algo realmente maléfico para toda a internet e o clímax se baseia nisso, na amizade com Vanellope e em como superar suas próprias inseguranças.

WiFi Ralph é um filme, leve, divertido e com uma mensagem muito legal sobre amizade e como ela deve ser saudável. Além disso ela desconstrói e faz graça com o estereótipo de princesas sendo salvas e com a masculinidade do cara fortão. Com vários aspectos da internet e muitas referencias, inclusive da própria Disney, como musical, O longa do Grandão faz muito bonito e já se torna um dos melhores filmes dessa nova Disney com Filmes em 3D.