A Maldição da Residência Hill | Crítica

Nossa querida Netflix lança sua nova série de terror, dirigida por Mike Flanagan, e pega todo mundo de surpresa.

A mais nova série, nomeada “The Haunting of Hill House”, que foi traduzida como “A Maldição da Residência Hill”, se apresenta como uma típica história de fantasmas, contando a história de uma família que se mudou para uma casa amaldiçoada onde ocorrem vários eventos sobrenaturais. O tempo passa e agora os cinco filhos da família vivem suas vidas, porém ainda atormentados pelo passado na antiga casa. Quando ocorre uma tragédia, eles são forçados a encarar seu passado.

A série possui dez longos episódios, e vai contando sua história em diferentes linhas do tempo e perspectivas diferentes que vão complementando uma a outra. Essa abordagem cria alguns mistérios que vão deixando o público curioso e ansioso para saber o que realmente vai acontecer e, claro, com uma boa dose de sustos que vão deixando você com mais medo a cada episódio. A narrativa vai se intercalando com a infância de cada um dos cinco filhos, revelando lembranças e fazendo com que você, junto deles, descubram os mistérios da residência assombrada.

Essa série, diferente de outros filmes e séries de terror que aplicam medo logo de cara, foca na construção de cada personagem, fazendo você sentir o medo que ele deveria estar sentindo ali, naquela situação.

A série segue um padrão visual parecido com alguns filmes de terror (Invocação do Mal e Ouija 2: A Origem do Mal). O segundo também é dirigidos por Mike Flanagan.

A Maldição da Residência Hill é uma história de terror bem construída e, até o 5° episódio, é para conhecer e entender os personagens. Após isso, prepare-se para grandes revelações e sustos. É uma ótima série para se ver, e aconselho a prestar muita atenção nos episódios, você não vai querer perder nada quando os mistérios começarem a surgir e serem resolvidos.