A Melhor Escolha é algo que consegue combinar diversos elementos interessantes em apenas um filme: drama, crítica social, “road movie” e até comédia.

Dirigido por Richard Linklater e baseado no livro de Darryl Ponicsan (que assina o roteiro ao lado do cineasta), A Melhor Escolha conta com três nomes de peso em seu elenco principal: Steve Carell, Bryan Cranston e Laurence Fishburne; um time que, mesmo eu sendo todo elogios, não podia dar errado, vai!

Você acompanha o ex-marinheiro Larry ‘Doc” Shepherd (Steve Carell) à procura de antigos companheiros que lutaram ao seu lado na Guerra do Vietnã. Ao encontrá-los, ele lhes conta a triste notícia de que seu filho, também marinheiro à serviço no Iraque, havia sido morto em combate dois dias antes. Após decisões tomadas, Sal Nealon (Bryan Cranston) e Mueller (Laurence Fishburne) se vêem em um novo objetivo: viajar pelos EUA para ajudar seu antigo amigo de Guerra a enterrar seu filho em casa, ao lado de sua mãe, da forma que Larry acreditava ser a melhor.

O filme possui uma forte crítica ao militarismo estadunidense, sempre questionando o “heroísmo patriota” e outros valores presentes até hoje (inclusive é evidente a ironia em seu título original: “Last Flag Flying”). Porém, o foco da trama está em desenvolver a relação dessas três pessoas que tiveram um passado significativo juntas, mas que se reencontraram apenas 30 anos depois, mostrando-se personagens totalmente diferentes e complexos em histórias, valores e em sua própria personalidade (que se mostra muito cômica, aliás…)

Acredito que não preciso ficar distribuindo elogios que já são evidentes apenas pelo trailer, como elenco, roteiro ou direção. É um filme simples, mas que conta uma história significativa e mostra como uma amizade, por mais que pareça impossível, pode surgir em meio à qualquer tipo de crise ou problema. E sim, tudo ao lado de um humor muito bem calculado e atuado (presentinho do nosso eterno Walter White). Simplesmente, é um filme que vale ser assistido.

A Melhor Escolha estreia dia 22 de Março (vulgo amanhã).