A Noite dos Mortos Vivos (1968) | Review

Um review e recomendação da primeira e uma das maiores obras do gênero Zumbi no mundo e de seu grande mestre, George Romero, que nos deixou recentemente. R.I.P.

Night of the Living Dead”, ou “A Noite dos Mortos Vivos” é um filme de terror independente, dirigido por George Romero e protagonizado por Duane Jones (Ben) e Judith O’Dea (Barbra). Mas, o fato mais importante desse filme é que ele simplesmente criou o gênero zumbi!

Para começar essa análise, vamos primeiro entender quem foi George Romero.

Nasceu em Nova Iorque em 1940, se formou na Carnegie Mellon University em Pittsburgh. No começo de sua carreira, Romero dirigia curtas e comerciais e criou em 1960 criou, junto com amigos, a produtora “Image Ten Productions”. Ao juntar uma certa grana (cerca de U$100 mil), produziu e estreou o filme “A Noite dos Mortos Vivos”.

Passando finalmente para esse review, “A Noite dos Mortos Vivos” foi lançado no final do período de dessegregação racial dos EUA e, como você já deve ter imaginado… sofreu um pouco. Por se tratar de um filme totalmente novo em seu gênero e por colocar um ator negro como protagonista, a produtora acabou recebendo críticas racistas na época. Mas o filme acabou sendo eternizado e quaisquer tipos de preconceitos recebidos foram apagados com a popularização do Zumbi.

Quanto ao visual do filme (fotografia, efeitos e edição), ele foi produzido com baixíssimo orçamento e sua “qualidade gráfica” fica atrás até de séries televisivas da época como Star Trek ou outros. Foi filmado em preto e branco e remasterizado e colorido digitalmente anos depois. Embora deixe a desejar em efeitos e qualidade de imagem, sua edição é muito boa e figurino impecável, do tipo que te faz acreditar que aquele personagem realmente estaria em um ambiente como aquele. Como… uma roupa normal…

Toda a trama se foca nas dificuldades que os dois personagens protagonistas enfrentam com o emergente apocalipse e com outros sobreviventes. Colocando em meio de comparação, a série de quadrinhos e televisiva “The Walking Dead” é bastante elogiada por focar nas relações entre personagens e como essas pessoas conseguem permanecer sãos em meio ao mundo sendo destruído e todas as bases que compunham a sociedade desabarem. Pois saiba que TWD não é precursora nisso, Romero já introduziu todo esse contexto em “A Noite dos Mortos Vivos”… criando, assim, um ótimo enredo com personagens aprofundados com os quais você se conecta e importa.

Outro ponto muito importante a destacar é a atuação de todos os personagens, e principalmente a dos protagonistas. Duane Jones, além de interpretar em meio ao preconceito da época, mostrou o bom ator que é. Ele é o personagem visto como líder pelo grupo e o que conduz toda a trama e todos em busca da sobrevivência.

Judith O’Dea interpreta uma garota que está constantemente com medo e que acabou de passar por um trauma que marcaria a vida de qualquer um para sempre e, embora sua personagem esteja sempre reclusa e fechada, o pânico exibido e a loucura que pode tomar conta de Barbra são muito bem interpretados.

Que assistam essa grande obra, desse grande mestre que nos deixa. 🙁

#RIPGeorgeRomero